créditos: Bella da Semana

Uma câmera na mão, uma bela lingerie no corpo, várias idéias na cabeça e ... ninguém para compartilhar

Meu maior desejo nos últimos dias, era ter uma câmera digital. Mas não dessas comuns. Queria uma cheia de mequetrefes e que tivesse filmadora; isso era essencial. Gosto de ficar me filmando em casa e descobrir meu melhor ângulo em tudo que faço. Mania. Brincadeira de menina. Até que hoje pude, finalmente, comprar uma do jeitinho que sempre quis ter. Com um monte de botões e letrinhas gravadas e mais um manual cheio de páginas para aprender a cada dia uma coisinha diferente. Para começar, decidi dar uma atenção especial a cada parte do meu corpo. Hoje era o dia do piercing no umbiguinho. Coloquei uma lingerie bem sensual, para o caso de empolgar-me e descer um pouquinho mais a câmera. Filmei do alto, de baixo para cima, de um lado e de outro e tocou a campainha. Coloquei o roupão e fui atender. Era o moço do interfone, instalar o novo aparelho (sempre inventam isso no seu prédio também?) e acabou por instantes com a minha festa. - Vai demorar? - Não, moça. Só mais um instantinho. Aliás, a senhorita se importa se eu tirar a camisa? Ta um dia tão quente hoje, não? - Tudo bem moço. Fique a vontade. Agora, tente ir o mais depressa possível, sim? Quem diria que por baixo daquela camisa estaria um belo par de bíceps. Aquela visão só atiçou a brincadeira. Fechei a porta do quarto e, através da fechadura, ficava focando a câmera nos belos braços do moço sem esquecer de um detalhe de suas costas, enquanto fingia uma historinha sedutora no microfone e ria, sem perceber que ele estava me escutando: "então ele se abaixou e perguntou se eu queria ajuda-lo...", até que: - Moça! Será que você poderia me ajudar aqui um pouquinho só? Como a coisa já tinha esquentado na história, deixei o roupão semi-aberto para ficar um pouquinho mais a vontade: - Sim, querido. Os olhos dele esbugalharam ao ver um pedacinho da renda da minha lingerie lilás. Contornando-o por trás, segurei o cabo que ele havia me solicitado. Gaguejava como se tivesse avistado um fantasma e fez questão de colocar: - Senhorita. Não sei bem quais são as suas intenções, mas eu sou casado. - Ah, é casado, é? E sua mulher tem uma lingerie igual a essa, tem? - Para lhe ser franco, ela até tem uma parecida, mas não exatamente nesta cor. - Hum...então você é um homem detalhista? Quem sabe você possa me ajudar. Tirei todo o roupão e empinei o bumbum para que ele reparasse no micro fio dental: - O que você acha dessa rendinha que tem aqui atrás? Eu sempre achei que não é exatamente do tom do restante da renda que tem aqui em cima, tá percebendo? Atirei novamente, dessa vez usando o sutiã. - Olha moça, a senhorita é realmente muito bonita. Tem um corpo espetacular, para não dizer que é uma delícia, mas...eu sou casado, moça! Tenha um pouquinho de piedade, por favor! - Sua esposa sabe que você iria atender uma linda loira solteira, hoje? Sabe, por acaso, que ela tem um marido que admira as "belas curvas" da vida? Ou quem sabe ela vai ficar chateada se souber que você fez seu trabalho direitinho? - É...posso tocar, moça? E pediu para colocar as mãos nos meus seios. - Só com uma condição. Você vai poder tocar apenas no direito. Toque do jeito que quiser. Mas só poderá fazer isso e nada mais! Sem ele perceber deixei a câmera ligada, posicionada em cima do armário e direcionada para nós dois. Sem demora, o moço tocava-me apenas com a ponta dos dedos como se eu fosse uma raridade. Puxou meu sutiã para baixo e continuou a brincadeira com tudo o que tinha direito. Eu já estava no auge e usava das minhas artimanhas para somar no que ele me faltava, enquanto ele, vendo a cena, se continha em concentrar-se apenas no ponto combinado entre nós. E a luz vermelha da câmera piscava em sinal de que a minha primeira cena estava sendo registrada maravilhosamente. Quando percebi que o homem estava entrando em transe, resolvi usar minhas mãos para acordá-lo. Para minha surpresa, ele pulou para trás. - Não moça. Não faça isso. Apenas o que combinamos, certo? - É...co-como assim? disse boquiaberta. - Tenho que ir moça, desculpe! - Mas assim? Agora? E o que eu faço? - Bom...não sei se vai ajudar, mas tem uma sex shop lá embaixo que... - iii pode ir embora, moço. Não preciso de conselhos! - Olha...a senhorita é mesmo uma beleza. Pena que eu sou assim tão certinho, né? Afinal de contas, trato é trato. Não poderia romper meu lado digno com a senhorita. - Tá, tá...xô! Vai embora! Pela primeira vez, levei um tiro da minha própria arma! Como pode um homem ser tão forte? "Será o Benedito?" Depois dessa...haja bateria para a câmera voltar ao normal de novo. Afff! E que vontade que deu...ai ai.

Stephany


Sobre o Bella Politica de Privacidade Política de Cancelamento Programa Afiliados Área do parceiro Imprensa Contato RSS

Preencha o endereço de e-mail utilizado no seu cadastro para receber sua senha