créditos: Bella da Semana

Dor Muscular Tardia

                                                                                                                      Getty Images



Quem nunca ouviu a famosa frase na sala de musculação, vinda da era clássica do fisiculturismo e repetida exaustivamente no filme Pump Iron: ´no pain, no gain´ (sem dor, sem ganho)?

A dor muscular seria um reflexo do grau da lesão muscular (micro lesões) e, consequentemente, da hipertrofia muscular (aumento da massa muscular). Mas será necessário sentir dor para se ter ganhos de massa muscular? E no caso de não sentir estas dores, será que é sinal de que não estamos desenvolvendo bem a musculação e, consequentemente, não tendo ganhos em hipertrofia?

Certamente você já ficou com a musculatura bastante dolorida depois de uma sessão intensa de musculação. Isso é bastante comum, principalmente quando é a primeira sessão ou a troca de treino. Mas de onde vem a dor? Será que é o acúmulo de ácido lático? Vamos desvendar este segredo agora!



Primeiramente, é importante entender que a Dor Muscular de Início Tardio - denominação correta na fisiologia - não tem relação nenhuma com o acúmulo de ácido lático. Até os dias atuais pensava-se que as dores no dia seguinte a um treino intenso com pesos eram geradas pelo ácido lático que continuava presente nos músculos. Agora sabemos que ele é responsável apenas por aquela sensação de ´queimação´ que sentimos durante a execução do exercício, principalmente nas últimas repetições. A queimação é causada pelo aumento do ácido lático no músculo, que é um coproduto do seu metabolismo, porém a sensação é interrompida imediatamente ou logo após terminado o exercício.

Se você notar, a dor do dia seguinte é diferente da queimação que você sente durante o treino e também é diferente de uma dor de lesão muscular. É importante, com tempo, desenvolver a capacidade de diferenciar os diferentes tipos de dor, como a ´dor boa´, que ocorre um ou dois dias depois do treino; e a ´dor ruim´, que pode significar lesões nas articulações e músculos.

A ´dor boa´, por mais forte que seja, não o impede de fazer outras atividades físicas. Apesar da dor, você consegue executar qualquer movimento com perfeição -  diferente do que acontece com as dores ocasionadas por lesões, que aparecem com a movimentação das áreas afetadas, algumas horas depois do treino.

A dor muscular pode acontecer logo após uma sessão inicial de treino, de 12 horas até 2 dias após e em ambos os períodos. Essa dor é decorrente do processo inflamatório no músculo. Isso mesmo, uma inflamação no músculo, como ocorre com toda e qualquer lesão.

Por isso costumamos apresentar a famosa Dor Muscular Tardia (DMT), popularmente chamada de ´dor do dia seguinte´. Mas não se preocupe! Esta inflamação não é algo negativo ou perigoso. É uma resposta fisiológica normal do organismo, a maneira como seus músculos respondem ao estímulo do  treinamento.

O melhor de tudo é que, depois deste processo inflamatório, vem a fase de reparação tecidual, na qual as fibras são reparadas. Nesta fase há uma supercompensação proteica, ou seja, a fibra muscular ganha proteína extra ao se refazer. Dessa forma, ela fica maior e mais forte para suportar os estímulos dos próximos treinos. Quando a recuperação da fibra muscular ocorre, há aumento da resistência muscular à dor e ganho de massa muscular.

Vale ressaltar que em um treinamento constante, sem interrupções, há adaptações à dor. Ou seja, o indivíduo consegue repetir a mesma sessão de treinamento, causando lesões estruturais às fibras musculares parecidas, desenvolvendo sua musculatura, porém sem ter a mesma dor sentida após as primeiras sessões.


E se os músculos estiverem doendo no dia que eu for treiná-los novamente? Devo treinar mesmo assim? Se a dor for pequena, pode treinar. Após o aquecimento do músculo, esse restinho de dor desaparecerá. Porém, se a dor ainda for intensa, é sinal de que o músculo ainda não se recuperou completamente. Você ainda está reconstruindo o tecido muscular danificado pelo último treino e treinar novamente estes mesmos músculos só irá prejudicar o crescimento muscular. Tente, neste caso, treinar músculos diferentes até que a dor diminua.

Para a dor ser prevenida ou diminuída deve-se iniciar um treinamento com baixa intensidade e com um aumento gradual das cargas. É de máxima importância o cuidado com o descanso! Não podemos esquecer que um bom descanso, muitas vezes, é melhor que um treino ruim.

Uma das maneiras de se livrar daquela dor incômoda nos músculos é fazer a crio imersão, ou seja, entrar num tonel cheio de água e gelo e ficar ali por alguns minutos. Caso a ideia não pareça tão boa, tente colocar uma bolsa de gelo no local afetado. Mas cuidado, nunca faça o oposto! Ficar imerso numa banheira ou colocar bolsa de água quente ao invés de fria só agravará a inflamação, fazendo com que a dor aumente. O ideal mesmo é repousar!


Conclusão:
de uma forma ou de outra, a dor boa depois do treino é algo benéfico para os seus objetivos. Se você treina apenas para manter a boa aparência ou por recreação, a história é outra. Mas se você treina para crescer, a dor é algo que você terá que perseguir para ter resultados. O jogo é destruir o músculo durante o treino e depois descansar e alimentá-lo de forma correta para que o ganho de massa muscular ocorra. Não tem segredo.

Se o seu objetivo for o de se tornar um masoquista na musculação, não há problema algum em ir à academia e submeter-se aos mais cruéis e mirabolantes treinos  - geralmente defendidos pelos adeptos da dor ´agradável´. Agora ,se o seu objetivo é ganhar massa muscular, é melhor parar de acreditar em marombeiros e passar a acreditar em treinos sérios propostos por profissionais sérios!

Até a próxima. Bons treinos!


 

Cristian Cruz


Sobre o Bella Politica de Privacidade Política de Cancelamento Programa Afiliados Área do parceiro Imprensa Contato RSS

Preencha o endereço de e-mail utilizado no seu cadastro para receber sua senha